quinta-feira, 18 de abril de 2019

Sobre viver de aparência...



E aí, confrades!! Há quanto tempo, hein?

Esse é mais um post ao estilo “reflexões”....Para que o blog não fique parado, irei compartilhando algumas coisas que tenho vivido/pensado de tal forma que todos os leitores possam tirar algum proveito, se possível.

Então, toca a faxina!

No post de hoje irei discorrer um pouco sobre o quanto nós nunca estamos satisfeitos. Sim, nunca estamos. Até mesmo os mais religiosos que dizem que Deus os preenchem por completo quando em alguma conversa revelam “ eu queria estar mais magro” “queria casar” “queria viajar”...

Obviamente, por si só, ter desejo de melhorar de vida é algo totalmente natural e diz respeito a tudo em nossa vida e é algo que existe desde o início da humanidade. Desde Adão e Eva comendo da fruta proibida para “se tornarem como Deus”, conforme argumento da serpente, passando pelos Faraós que tomavam bebidas especiais na crença que aquilo os tornava mais divinos e também, até mesmo, os retirantes nordestinos que deixaram suas terras secas em busca de uma vida melhor em outro lugar do país. Tudo isso, ao meu ver, é absolutamente normal pois diz respeito à vontade de melhorar suas condições, sejam elas físicas, emocionais, sociais ou, até mesmo, espirituais.

Essa busca por melhora parece que chega a todos os locais da vida das pessoas mas em um ponto em específico parece não surtir muito efeito. O comportamento do indivíduo na internet. Com o advento do acesso à internet em massa, as pessoas apenas querem transparecer uma vida de aparência e dai que a internet basicamente morreu. Sim, isso mesmo, caro leitor. O que se propunha a ser a internet quando da sua popularização, um local de livre transito de informações e similares, já não existe mais. A partir do momento que redes sociais como Facebook e Instagram apareceram, as pessoas parecem terem trazido para si a responsabilidade de não só serem felizes mas, principalmente, parecerem felizes em detrimento da criação de conteúdo interessante. Nisso, exclui-se a produção de conteúdo produtivo para outros ou para si mesmo como quem ganha dinheiro assim, como jornalistas, modelos, por exemplo.

Aqui que está o fim da internet. Conteúdo fútil + viver de aparência.


Image result for viver de aparencia

O chimpanzé acessa o facebook ou instagram e tem acesso apenas a conteúdos que normalmente ele tem familiaridade. Roupas, futebol, vídeo-game, sacanagem... as redes vomitam pro bípede apenas o que ele tem interesse e, em meio a textões e fotos de biquinho, o indivíduo vai perdendo 4-5-8 horas diárias com conteúdos irrelevantes.

Nem vou entrar no mérito da novinha que tira foto mostrando a bunda no espelho pois, diariamente, tem umas 200 solicitações de amizades e infinitas atualizações... pensando bem, até faz sentido ela se utilizar das redes pois sua baixa autoestima só encontra vazão num ego inflamado por likes. Se ela der sorte, consegue até descolar uma grana por lá.

Não to falando delas... to falando do cara com 17-30 anos que ainda faz faculdade (ou tá na segunda/terceira faculdade ou não completou alguma em uma/duas tentativas) e desperdiça seu precioso tempo com essas coisas. Em vez de se desenvolver pessoalmente buscando conteúdo relevante na rede, ele entra num loop infinito de mediocridade que termina por deixa-lo totalmente marginalizado socialmente embora ele creia piamente que seus amigos de LOL estão com ele pro que der e vier.

Esse é o ponto! A informação nunca foi de tão fácil acesso mas parece que, por isso, os indivíduos desdenham e não buscam material de qualidade para estudo e similares. A busca incessante por lazer preenche o espaço que deveria ser de esforço e trabalho contínuo até uma estabilização e, posteriormente, o desfrute dos objetivos tão arduamente batalhados. Talvez eu esteja sendo crítico demais pois o que falo deve englobar uns 98% da população que possui acesso à internet.

Pra mim já está bem claro. O indivíduo não alcança o que queria na vida real e compensa isso nas fotos na rede social. Não é questão de se expor ou ser mais reservado. Isso vai da personalidade de cada um. Minha questão aqui é bem simples: há algum momento que a pessoa se toca que ela está mentindo pra si mesma?


É isso. Felicidade é diferente de prazer.


Abraços!!


É isso aí, confrades! Força e Honra! Até uma próxima oportunidade!



Intendência!!!


Abraços!!


5 comentários:

  1. Olá, IF.

    Parabéns pelo post.
    Hoje tenho apenas o WhatsApp.
    É verdade. As pessoas estão vivendo uma vida de aparências. Hoje o smartphone virou praga. O indivíduo não larga dele por um segundo. A coisa está ficando feia.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Já tinha chegado a está conclusão desde a época do Orkut. Também só tenho o WhatsApp e mesmo assim já penso em cair fora. Só fico pq ainda tenho um pseudo controle de privacidade.

    Facebook quando começou tive durante alguns meses. Não entendo como as pessoas aceitam que uma empresa escolham o que elas devem ver.

    ResponderExcluir
  3. Uso apenas o bom e velho e-mail.

    Acho que essa era da informação desenvolveu o péssimo hábito de ficar fazendo várias coisas ao mesmo tempo, e destruiu a capacidade de concentração de muitas pessoas. Antigamente era mais fácil ler um livro de muitas páginas. Hoje, devido a possibilidade de ver várias abas, notificações e outras frivolidades, é muito difícil conseguir.

    Estou planejando eliminar o smartphone da minha vida. Usar apenas um telefone simples. O ruim é que de vez em quando alguns avisos importantes de faculdade e estágio são dados somente pelo Whatsapp, aí fica difícil.

    Tento usar a internet como meio de crescimento pessoal e informação relevante - outra tarefa difícil é filtrar notícias. Televisão é outro lixo que eliminei da minha vida, totalmente manipulada, nada se salva.



    ResponderExcluir
  4. Cara, quando vc chega nos 30 passa a ver as coisas de um jeito diferente, mais apático, pelo menos foi assim comigo, vem aquela sensação de que não há nada de novo sob o sol. Falo isso porque essa situação do post não é algo recente, que surgiu com a internet, ela simplesmente deu voz a esse pessoal fracassado de forma que hoje a mediocridade deles é escancarada para o mundo. Mas em todas as épocas existiram as pessoas que se contentavam com nada, gente que chama você de louco por pensar fora da caixa. Se antes os jovens se isolavam nas drogas ou bebidas, hoje têm a internet para aliviar seus desejos e vontades.

    ResponderExcluir